Anatomia Patológica

 
 As informações contidas nesta página são orientações gerais. Elas nunca devem substituir as especificações feitas pelo médico para o seu caso.
 
1. A análise do tumor é feita no momento da cirurgia?
 
            Um dos procedimentos em Anatomia Patológica é o chamado exame intra-operatório ou exame por congelamento. O patologista está presente no ato operatório e, por meio de técnica específica rápida, obtém preparados histológicos para serem lidos ao microscópio. O procedimento não tem a mesma exatidão que o método rotineiro, mas permite, com segurança, orientar o cirurgião no procedimento, informando a natureza da lesão e, se for o caso, se a ressecção é adequada. Normalmente o procedimento usual, ou complementar, nesse caso, é feito com um ou mais dias de preparação do material.
 
2.O que a análise do tumor determina?
            Esse tipo de procedimento visa a determinar:
-a presença ou não de lesão;
-a natureza da lesão, em caso de tumor. E se o mesmo é benigno ou maligno;
-o grau de ressecção, isto é, se as margens de ressecção estão adequadas;
-se há, eventualmente, lesão representada suficiente a fim de ser estudada posteriormente pelos métodos usuais.
 
3.O que é revisão de lâmina?
            É o procedimento pelo qual um material que já passou pela biópsia e foi examinado é enviado para uma revisão ou segunda opinião. É comum em hospitais oncológicos como o IBCC fazer essa revisão quando o paciente é encaminhado por outra instituição. O material pode constituir-se das lâminas dos blocos parafinados ou de ambos. O ideal é que os blocos parafinados sejam enviados, pois qualquer procedimento complementar, como imunohistoquímica, pode ser realizado.
 
4.O transporte do material destinado à revisão de lâmina pode ter algum problema?
            O material — quer em lâminas, quer em blocos — está absolutamente estável, não deteriorando e não apresentando nenhum risco de contaminação. Pela sua importância, deve-se acondicioná-lo, de modo que não se perca, pois muitas vezes é o único material que representa a lesão de um doente. Embora as lâminas de vidro possam quebrar, outras podem ser obtidas, sem grande problema, a partir dos blocos parafinados.
 
5.O patologista atende diretamente ao paciente?
            Normalmente, não. Ele examina os materiais no laboratório ou no centro cirúrgico, embora ele possa e deva prestar esclarecimentos aos pacientes que o desejarem. Quem colhe os materiais por meio de biópsia ou citologia é o médico atendente, geralmente um cirurgião.
 
6.O que é imunohistoquímica?
            É um método de diagnóstico complementar, que tem como objetivo a detecção de um determinado antígeno em um corte histológico. O exame imunohistoquímico tem revolucionado a prática da Anatomia Patológica e, além do auxílio ao diagnóstico de diferentes tumores, a técnica tem permitido a identificação de diferentes tipos de marcadores (enzimas, receptores e produtos de genes), que estão relacionados ao comportamento biológico das neoplasias. Principais indicações: avaliação prognóstica, diagnóstico histogenético, discriminação da natureza benigna e maligna de determinadas células, caracterização da origem de carcinomas e identificação dos agentes infecciosos.
 
7.Onde o melanoma se desenvolve?
            Ele normalmente desenvolve-se sobre uma pinta preexistente ou como uma mancha negra que poderá tornar-se assimétrica, com bordas irregulares, cor heterogênea e policromática (negra, marrom ou avermelhada). O melanoma, porém, também pode aparecer sem a existência de sinais anteriores.