Dermatologia, Tumores Cutâneos e Partes Moles

 
 As informações contidas nesta página são orientações gerais. Elas nunca devem substituir as especificações feitas pelo médico para o seu caso.
 
1.A partir de qual idade devemos intensificar os cuidados com a pele?
 
            Desde a infância. O sol tem efeitos cumulativos e pode causar grandes danos à saúde quando o indivíduo estiver na fase adulta.
 
2. Quais são os principais cuidados que devemos tomar com a pele para nos protegermos do sol?
- evitar o sol entre 10 a 14 horas; 
- proteger-se com camiseta, chapéu, óculos escuros, guarda-sol e filtro solar; 
- usar o filtro solar diariamente e reaplicá-lo todas as vezes que molhar o corpo e estiver exposto ao sol; 
- fazer regularmente o auto-exame da pele; 
- consultar periodicamente um dermatologista.
 
3.Como o filtro solar deve ser usado?
            Ele deve ser aplicado de 20 a 30 minutos antes da exposição ao sol, pois esse é o tempo necessário para que o produto penetre na pele e possa reagir com as células, efetivando a proteção.
Também é importante lembrar que o filtro solar tem duração de duas a três horas, devendo ser reaplicado a cada duas horas e/ou após o mergulho no mar ou na piscina. A regra também vale para a transpiração excessiva.
 
4.Qual é o fator de proteção mais eficaz?
            Os filtros solares com fatores 25 e 30 garantem 90% da proteção da pele, se usados corretamente. É importante lembrar que o protetor solar deve ser usado desde a infância, já que é nessa fase que em que são praticadas mais atividades ao ar livre.
 
5.Os protetores infantis são eficazes?
          Sim, eles são eficazes. Para além disso, os protetores infantis são menos alergênicos. Vale ressaltar que eles também devem ser aplicados a cada duas horas.
 
6.As crianças devem usar protetor solar a partir de qual idade?
            A partir do primeiro ano de vida. O protetor deve ser aplicado a cada duas horas, após os exercícios físicos e ao sair do mar ou da piscina.
 
7.Como fazer o auto-exame da pele?
a. examine a face e a cabeça, com a ajuda de um espelho e, também, o couro cabeludo. Se precisar, utilize um secador de cabelos para visualizar melhor essa parte da cabeça; 
b. verifique as mãos, unhas, cotovelos, braços, antebraços e axilas; 
c. preste atenção à pele do pescoço, tórax e tronco. As mulheres também devem observar a pele sob as mamas; 
d. visualize, com a ajuda de um espelho, as costas, nucas, ombros, nádegas e pernas; 
e. verifique (sentado) as pernas e pés, incluindo a sola e frente dos pés, calcanhares e unhas; 
f. examine a região genital, com o auxílio de um espelho de mão; 
g. atente para machucados que não cicatrizam ou sangram com facilidade; 
h. fique alerta à regra do ABCD para as pintas ou manchas escuras: assimetria, bordas muito irregulares, cores variadas e diâmetro maior do que um centímetro.
 
8.O câncer de pele tem cura?
            Sim. O câncer de pele é o que mais atinge a população brasileira, mas também é o que possui os maiores índices de cura se tratados a tempo.
 
9.O que é o carcinoma baso-celular?
           Carcinoma baso-celular é o tipo mais comum de câncer de pele, chegando a responder por 80% dos casos. O diagnóstico precoce é o melhor remédio para esse câncer, que é tratado com procedimento cirúrgico. O índice de cura chega a 99%.
O carcinoma baso-celular apresenta-se como uma mancha ou nódulo de cor avermelhada, que coça e, às vezes, sangra, especialmente em pessoas idosas. Ele cresce lenta e progressivamente e não metastatiza, ou seja, não se alastra para os órgãos internos. Porém, ele pode invadir as estruturas subjacentes, causando a destruição da pele, cartilagem, partes moles e ossos.
 
10.Quem são as pessoas mais propensas a desenvolver o carcinoma baso-celular?
          Aquelas de pele clara e que se expõem cronicamente ao sol.
 
11.O que é o carcinoma espino-celular?
           É o segundo tipo mais comum de câncer de pele e caracteriza-se por uma ferida que não cicatriza. As áreas mais comuns são os lábios, orelhas, antebraços e dorso de mãos. Responsável por cerca de 20% dos tumores de pele, seu tratamento é cirúrgico e também pode ser simples se diagnosticada precocemente. O carcinoma espino-celular, porém, pode provocar metástases ganglionares e invadir os órgãos internos.
 
12.Quem são as pessoas mais propensas a desenvolver o carcinoma espino-celular?
           As de pele clara, que se expuseram em demasia ao sol, os portadores de doenças imunodepressoras ou as que fazem uso de drogas imunossupressoras, como os medicamentos contra rejeição de tecidos.
 
13.Como é o tratamento do carcinoma baso-celular e do carcinoma espino-celular?
            Nos casos iniciais, o tratamento normalmente acontece por meio de cirurgia ambulatorial, sob anestesia local. A retirada dos tumores é feita com uma margem de segurança e o material recolhido é encaminhado para biópsia, um exame mais detalhado.
A cirurgia não exige internação. O paciente que se submete a ela fica apenas algumas horas em observação e, posteriormente, é liberado.
 
14.O que é melanoma?
            É o mais grave dos cânceres de pele e representa de 5 a 6% dos casos. Apesar de sua incidência ser pequena, seu número está em constante progressão. Ele atinge os melanócitos - células que produzem a melanina, que dão cor à pele - e, dependendo de sua profundidade, pode chegar à corrente linfática (gânglios) e órgãos internos.
 
15.Como é o tratamento do melanoma?
           O procedimento é sempre cirúrgico.